Atividade da indústria no RS termina 2020 em baixa

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nessa quinta-feira (4) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), completou em dezembro de 2020 o oitavo mês consecutivo de alta na série dessazonalizada. O crescimento foi de 2,6% em relação a novembro. Apesar disso, no acumulado de janeiro a dezembro, a queda do IDI-RS chegou a 4,9% na comparação com o mesmo período de 2019. “Todos os indicadores da pesquisa seguiram o mesmo roteiro no ano passado, com início positivo, quedas e níveis recordes entre março e maio em função da pandemia, e retomada impulsionada pelas medidas de estímulos do governo federal, a reabertura gradual da economia, o afrouxamento das medidas de isolamento social e os juros baixos”, diz o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

Com exceção da massa salarial real, que caiu 3%, todos os componentes do IDI-RS, um termômetro da atividade do setor no Rio Grande do Sul, subiram no último mês do ano na comparação com novembro. Os destaques principais ficaram com as compras industriais, uma elevação de 9,5%, e com as horas trabalhadas na produção, com 5,6%.
Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o IDI-RS cresceu 11,6%, a quarta alta seguida e maior do ano. Mesmo assim, tendo fechado 2020 com 4,9% abaixo de 2019, esta nova queda anulou a modesta recuperação do triênio 2017-2019 (3,1%) e a distância em relação a 2013, pico de atividade anterior à recessão 2014-2016, chega a -20%.
Ainda que quase todos os indicadores tenham recuperado os níveis pré-pandemia, nenhum conseguiu evitar a queda ao final de 2020: faturamento real recuou 3,1%, compras industriais, 5,8%; horas trabalhadas na produção, 5,5%; emprego, 2%, e massa salarial real, 9,8%. A Utilização da Capacidade Instalada caiu 4,5 pontos percentuais.
Por setores, a queda da atividade industrial no ano foi generalizada, atingindo dez dos 16 pesquisados. Destaque principalmente para Veículos automotores (-15,4%) e para Couros e calçados (-19,1%) e, em menor medida, para Químicos e refino de petróleo (-3,2%), Máquinas e equipamentos (-1,9%) e Tabaco (-8,5%). Os destaques positivos ficaram com Alimentos (4,2%), Produtos de metal (6,5%) e Bebidas (3%).
PERSPECTIVAS – Para 2021, segundo a FIERGS, a expectativa é por um crescimento do IDI-RS em torno de 6%, ajudado pela baixa base de comparação e o cenário de retorno à normalidade e recuperação da economia brasileira, com juros ainda em patamares baixos para os padrões brasileiros e inflação controlada. Outras sinalizações importantes são a elevada confiança industrial e os baixos níveis de estoques, mas há também restrições, como o desemprego elevado, a incerteza sobre as condições fiscais do país, o fim do auxílio emergencial, a evolução da pandemia e a falta e dos altos preços de insumos e matérias-primas.
Mais informações e a pesquisa completa em https://www.fiergs.org.br/numeros-da-industria/indicadores-industriais.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Indústria gaúcha termina primeiro semestre em alta

A Sondagem Industrial do RS, divulgada nessa ...

%d blogueiros gostam disto: