Atividade da indústria se estabiliza no Rio Grande do Sul

A atividade da indústria gaúcha se manteve estável em fevereiro na comparação com janeiro, aponta o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nessa segunda-feira (5) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). Com o ajuste sazonal, interrompeu um ciclo de nove altas consecutivas, que sucedeu a queda recorde provocada pela pandemia em março e abril do ano passado. Mesmo com o crescimento zero de fevereiro de 2021, o IDI-RS está 6,2% acima do nível do mesmo mês de 2020. “Os indicadores industriais mostraram a desaceleração da atividade do setor com o fim dos programas de estímulos, como o auxílio emergencial, e a escassez e os altos preços dos insumos e matérias-primas”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry.

A estabilidade do IDI-RS no mês refletiu os resultados distintos de seus seis componentes. Caíram os indicadores mais diretamente associados à produção, casos do faturamento real, -1,9%, horas trabalhadas na produção, -1,4%, e utilização da capacidade instalada-UCI (recuo de 1,3 ponto percentual), que atingiu 81,1% no segundo mês do ano. Por outro lado, cresceram os indicadores de mercado de trabalho: emprego teve uma elevação de 1,2% e massa salarial real, 0,9%. Já compras industriais (insumos e matérias-primas) ficaram estáveis.

O presidente da FIERGS destaca que a perspectiva da indústria gaúcha para os próximos meses é de incerteza. Por um lado, observa ele, a confiança empresarial, a maior produção agrícola e a volta do auxílio emergencial conferem ao cenário um caráter favorável. Mas as dificuldades na cadeia de suprimentos e, sobretudo, o agravamento da pandemia, podem provocar paralisação de atividades e um maior isolamento social, com mais impactos negativos para a economia.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o IDI-RS de fevereiro registrou sua sexta alta seguida, 5,8%. Já no acumulado de 2021, frente ao primeiro bimestre de 2020, o avanço de 6,2% se explica pela alta de cinco dos seis componentes, destacando as compras industriais, com 22,2%. Também cresceram o faturamento real (4,8%), as horas trabalhadas na produção (6,4%) e o emprego (2,3%). Já a UCI subiu 0,7 ponto percentual. A exceção foi a massa salarial real, única a cair, 0,5% no período.

Doze dos 16 setores pesquisados tiveram crescimento no nível de atividade nos dois primeiros meses do ano, aponta o IDI-RS. O maior destaque foi Máquinas e equipamentos, com 28,5% de elevação na comparação com o primeiro bimestre de 2020. Também foram importantes as expansões de Produtos de metais, 19,3%, e de Alimentos, 4,6%. Já o maior impacto negativo veio de Couros e calçados (-9,9%).

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Vulcão na África não deve causar tsunami no Brasil, diz especialista

A história que uma provável erupção nas ...

%d blogueiros gostam disto: