Atividade industrial gaúcha atinge maior patamar desde 2014

A atividade industrial gaúcha abriu o segundo trimestre em alta. É o que aponta o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado nessa terça-feira (14) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). Avançou 1,5% em abril, frente ao mês anterior, após também crescer 0,5% em março. Com essa nova alta, o IDI-RS atingiu o maior patamar desde outubro 2014, sendo 10,8% acima ao registrado antes da pandemia, em fevereiro de 2020.

O IDI-RS busca mensurar a atividade da indústria gaúcha por meio da combinação de seis indicadores. O exame deles, em abril, revelou sinais ambíguos, com crescimento das horas trabalhadas na produção (1,4%), do emprego (0,6%) e da massa salarial real (0,5%). Em compensação, ocorreram fortes quedas nos componentes de faturamento real, -3,3%; compras industriais, -2,3%, e utilização da capacidade instalada, com -0,7 ponto percentual.

Os resultados são igualmente positivos também nas comparações anuais, mas começam a diminuir de intensidade. Em abril de 2022, o IDI-RS cresceu 2,9% ante igual mês do ano passado, a pior taxa em 18 meses. Parte da explicação para isso se deve ao menor número de dias úteis, 19 contra 21 de abril de 2021. Com isso, o acumulado do ano aponta uma alta de 3,9% em relação ao primeiro quadrimestre de 2021, desacelerando em relação ao resultado de março (4,3%).

Das seis variáveis que compõem o IDI-RS, cinco contribuíram para o resultado positivo do primeiro quadrimestre de 2022, especialmente horas trabalhadas na produção, que subiram 7,3%, seguidas de emprego, 6,1%; e compras industriais, 6%. Já a massa salarial e o faturamento real também cresceram, 5,8% e 1,8%, respectivamente. A única exceção ficou com a Utilização da Capacidade Instalada (UCI): perdeu 1,1 ponto percentual, mantendo grau médio de 81% nos quatro primeiros meses do ano.

Ainda nessa comparação com o quadrimestre de 2021, a atividade industrial gaúcha cresceu em nove dos 16 setores cobertos pela pesquisa, tendo como destaque as indústrias de Veículos automotores (13,2%) e Máquinas e equipamentos (10,7%). Também tiveram elevação Tabaco, 35,3%, e Couros e calçados, 6,2%. Em contrapartida, as quedas mais significativas vieram de Móveis (-7,8%), Produtos de metal (-3,5%) e Alimentos (-1,3%).

FUTURO – Apesar da alta do IDI-RS em abril, os resultados dos Indicadores Industriais mantêm o quadro de oscilação e de estabilidade. A pesquisa revela, porém, que a desorganização da cadeia de suprimentos e as fortes altas dos juros e da inflação continuarão a restringir a atividade industrial gaúcha nos próximos meses, já que a falta de insumos não deverá ser resolvida no curto prazo. Nesse contexto, e com estoques excessivos, além de menos otimismo entre as empresas, as perspectivas de uma retomada consistente são pouco animadoras.

Mais informações em https://www.fiergs.org.br/numeros-da-industria/indicadores-industriais.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Google vai distribuir 500 mil bolsas de estudos para cursos em tecnologia; veja como se candidatar

O Google anunciou em junho que distribuirá ...

%d blogueiros gostam disto: