Ecosul desistiu de obras e a instalação de dois novos pedágios

A Ecosul desistiu da sua proposta de prorrogar o contrato de concessão na BR-116 e BR-392, por mais dez anos, cujo conteúdo previa obras e a instalação de duas novas praças entre Camaquã e Porto Alegre. A decisão da empresa foi celebrada pelo deputado estadual Marcus Vinícius de Almeida (Progressistas), que desde o início se manifestava contrário, inclusive tendo realizado audiências públicas e petições para tratar sobre o assunto.

“A desistência da Ecosul, na renovação de seus contratos, é comemorada, sim, por todos nós. Na mobilização regional que realizamos, era praticamente unânime a insatisfação com empresa. Recebemos a informação com um certo sabor de vitória”, declarou Marcus Vinícius.

O diretor superintendente da Ecosul, Fabiano Medeiros, admitiu que não havia ambiente para levar a proposta adiante. De acordo com o gestor, alguns líderes empresariais entenderam a proposta, mas “alguns líderes políticos” não concordaram com o projeto da concessionária.

A Ecosul estava em tratativas para ampliar a vigência de seu contrato, que iniciou em 1998 e se estende até 2026. De acordo com plano apresentado pela concessionária, a construção de duas praças de pedágio na região serviria para obter novos recursos para subsidiar obras no Rio Grande do Sul. Porém, com a garantia de conclusão da duplicação da BR 116, com recursos públicos, bem como da certeza na abertura de uma concessão para BR 290, por parte do Ministério da Infraestrutura, o pleito inicial da Ecosul já não encontrava sentido. “Depois das mobilizações que fizeram o Governo Federal assumir o compromisso de investir no sul do estado, entendemos que o desejo da empresa não tinha mais razão de ser levado adiante. Isso sem falar na falta de amparo jurídico do que pretendiam.” sustenta o parlamentar.

No mês de julho, Marcus Vinícius esteve juntamente com o deputado Federal Afonso Hamm, na direção da Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) e no Tribunal de Contas da União (TCU) buscando informações e sensibilizando os órgãos para o cumprimento da decisão da Corte de Contas que determinava a redução dos valores atualmente praticados nestas praças, bem como a indenização pelos prejuízos gerados.  Os parlamentares voltarão a se reunir com estes órgãos, durante o mês de setembro, onde esperam novas respostas acerca da mitigação dos altos custos cobrados nas cancelas instaladas nas rodovias.

“Não podemos parar por aqui, o desafio agora é garantir a redução dos valores de pedágios praticados”, destacou o Marcus Vinícius.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Vulcão na África não deve causar tsunami no Brasil, diz especialista

A história que uma provável erupção nas ...

%d blogueiros gostam disto: