Estado anuncia leilão da CEEE para fevereiro de 2021

O governo do estado anunciou, nesta segunda-feira, que o edital para privatização da Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE) deve ser publicado no início de dezembro, com previsão de leilão em fevereiro, tendo como lance inicial R$ 50 mil.

Antes da publicação do edital, cujo prazo é 9 de dezembro, o governo promoveu uma audiência pública para esclarecer dúvidas e encaminha dois decretos, um já publicado que regulamenta o Programa Especial de Quitação e Parcelamento de ICMS (Refaz), e outro, a ser divulgado, possivelmente, até o fim desta semana, que aborda a questão dos ex-autárquicos, regulamentando que o Estado assuma os passivos, garantido pela Lei nº 14.467/2014, com contrapartida de imóveis/recursos pela CEEE ao governo para equilibrar o passivo assumido.

O Presidente da Associação dos Funcionários Públicos em Defesa das Estatais e do Patrimônio Público do Rio Grande do Sul (Adefers), Fabrício Cavalheiro aponta a partir dos dados apresentados na audiência pública, para viabilizar a venda, a CEEE-Participações – controladora da CEEE-D e da CEEE-GT, absorverá aproximadamente R$ 2,8 bilhões referentes à dívida do ICMS com o Estado, para reforçar o capital da empresa. Ou seja, do total da dívida estimada

em R$ 7 bilhões, que incluem R$ 4,4 bilhões de ICMS (já com projeção até abril do próximo ano) e R$ 465 milhões dos ex-autárquicos, o total de R$ 2,8 bilhões – referente ao ICMS – será “perdoado” à CEEE-Par pelo Estado para reforçar o capital da Companhia. Desta forma, o passivo vai para R$ 4,2 bilhões, que os compradores aceitariam assumir em troca do valor da concessão, estimado em R$ 3,5 bilhões. Além disso, o “novo dono” deve assumir o restante da dívida de ICMS, na ordem de R$ 1,6 bilhão.

Fonte: Melissa Louçan (Jornal Minuano)

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Ministério Público recorre de decisão que negou prisão de homem que matou cachorro em Rio Grande

O MP (Ministério Público) recorreu, no início ...

%d blogueiros gostam disto: