Maioria dos Prefeitos é contrário à privatização da Corsan

Depois da Assembléia promovida pela Famurs na manhã desta quarta-feira, onde foi aprovada uma Nota que critica a postura do governo estadual em não construir pautas importantes junto com os municípios, a maioria dos prefeitos da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) manifestou apoio ao movimento que pede a suspensão da exclusão do plebiscito sobre o tema. Os prefeitos entendem que não é o momento para tratar de pautas tão importantes face à concentração de energias para mitigar os efeitos da pandemia.

Durante a reunião remota, o presidente da Azonasul, Vinicius Pegoraro (MDB), prefeito de Canguçu, manifestou posicionamento sobre o desconhecimento, por parte dos prefeitos, do projeto traçada para a venda da companhia. Ele disse que é preciso estar claro quais os objetivos traçados e quais as previsões orçamentárias de investimentos com o lucro da venda. Ele também revelou sua posição contrária à realização de um plebiscito face aos custos acarretados e inexpressivo interesse por parte da população. “Defendo, ainda, a tomada de decisões por parte dos representantes da população, democraticamente eleitos para tal. Por isso acredito na ineficácia de um processo de consulta quando o assunto tem o caráter administrativo, como se apresenta essa pauta da privatização”, sustentou.

O documento da Famurs enfatiza a recorrente falha entre a comunicação do Governo do Estado com os municípios e menciona que a CORSAN é empresa lucrativa que atende 317 cidades gaúchas. A Federação também expressa que são os municípios que detém o direito à água e ao esgoto. “Portanto, o destino da CORSAN não pode ser decidido sem participação dos municípios. Não abrimos mão do nosso direito de participar para decidir, coletivamente, junto com a Assembléia Legislativa, Governo do Estado e sociedade gaúcha, qual o melhor caminho para um bem fundamental como a água do povo gaúcho”, diz a Nota.

Por fim, o documento ainda menciona que a Companhia pode e deve melhorar e solicita ao Governo do Estado e à Assembléia Legislativa do RS a suspensão da tramitação da PEC que extingue o plebiscito. É preciso diálogo verdadeiro. É preciso transparência. É preciso clareza. “Qual é o projeto”? Por que a pressa?”, questiona o documento assinado pelo presidente Emanuel Hassen de Jesus.

LEVANTAMENTO – A equipe técnica da Azonasul apurou que entre os 22 municípios, apenas quatro não são atendidos pela Corsan. Os demais dependem da companhia para a prestação dos serviços de abastecimento de água e esgoto. Dos dezoito atendidos, 12 responderam ao levantamento sobre a privatização e dez foram contrários à venda. Dois, no entanto, ainda não têm opinião final formada.

Fonte: Azonasul

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Dois estabelecimentos, em Jaguarão, são interditados após fiscalização do Programa Segurança Alimentar do RS

Em operação de fiscalização do Programa Segurança ...

%d blogueiros gostam disto: