Ácool gel

Ministério Público recomenda recolhimento de álcool em gel no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O MP (Ministério Público) expediu recomendação aos governos gaúcho e de Santa Catarina para que recolham imediatamente o produto “Gel Higienizador de Mãos – Álcool em Gel 70, 400ml”, fabricado pela empresa Wave Innovation Solutions, sediada em Itajaí (SC).

O promotor de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, da Promotoria de Defesa do Consumidor de Porto Alegre, sugeriu também que ambos os Estados alertem em seus sites para que a população não utilize o produto.

A recomendação foi expedida depois que dois laudos do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul concluíram que o produto antisséptico continha 35,6% e 48,5% de teor de álcool etílico, contrariando resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que exige a concentração mínima de 70%. O produto também se mostrou insatisfatório nas análises de aspecto, rotulagem e de determinação do PH.

No documento, o promotor considera que o objetivo do fabricante ao ignorar as normas técnicas era aumentar sua margem de lucro, se aproveitando da “crença dos consumidores que acreditavam estar comprando um produto eficaz, mas que, na realidade, os deixaram ainda mais suscetíveis de contrair e propagar a Covid-19, o que torna o fato gravíssimo por comprometer a saúde e ordem públicas”. Segundo o promotor, “já faz alguns dias que os laudos foram finalizados e ainda não houve o recolhimento do produto, que segue sendo comprado”.

As amostras examinadas foram adquiridas em uma farmácia localizada no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, e em um supermercado na avenida Sapucaia, em Sapucaia do Sul.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Ministério Público recorre de decisão que negou prisão de homem que matou cachorro em Rio Grande

O MP (Ministério Público) recorreu, no início ...

%d blogueiros gostam disto: