Programa Sentinela monitora áreas de fronteira no Estado

O Programa de Vigilância Sanitária Animal de Fronteira – Sentinela, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), começou quarta-feira  monitorando as fronteiras do Rio Grande do Sul com o Uruguai e a Argentina.

O programa tem área de abrangência de 1.200 quilômetros de faixa de fronteira, envolvendo 59 municípios com 64.842 propriedades rurais e rebanho de 4,4 milhões de cabeças. A metodologia de trabalho prevê a distribuição das equipes e o gerenciamento das atividades em quatro blocos: Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja e Santa Rosa.

“Nosso esforço é para fortalecer a fiscalização nas cidades que fazem fronteira com Argentina e Uruguai, a fim de garantir maior proteção ao nosso rebanho. É mais um grande passo para alcançamos o nosso objetivo que é tornar o Estado livre de aftosa sem vacinação”, afirma o secretário Covatti Filho.

O Sentinela conta com 36 profissionais divididos em 12 equipes sendo 24 médicos-veterinários e 12 técnicos agrícolas. Em cada um dos quatro blocos, três equipes realizarão revezamentos, trabalhando oito dias consecutivos em sequência. Utilizou-se de recursos de inteligência como análises de risco e das movimentações animais na região de fronteira, numa faixa que vai desde o Chuí até Derrubadas.

O trabalho de inteligência, com a utilização de ferramentas como análise de rede de movimentação animal, realizado em parceria com a Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA) e patrocinado pelo Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), permite que com uma equipe reduzida se possa ter um trabalho de fiscalização que otimiza os recursos e presta um serviço de defesa sanitária animal eficiente, através da escolha de propriedades chaves e rotas preferenciais.

O programa conta com o patrocínio do Fundesa e tem convênio firmado com o Ministério da Agricultura. A operacionalização se dará também por meio de novos convênios entre a Seapdr e outras pastas e órgãos da administração do Estado e do governo federal, principalmente com os setores de segurança pública.

O projeto piloto do programa Sentinela ocorreu no bloco de Jaguarão entre os dias 18 e 24 de junho e foi considerado exitoso. As equipes monitoraram a fronteira entre o Chuí e Dom Pedrito, em um total de 10 municípios e em uma área de 250 quilômetros.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Vulcão na África não deve causar tsunami no Brasil, diz especialista

A história que uma provável erupção nas ...

%d blogueiros gostam disto: