Rio Grande do Sul fica mais próximo à adesão ao Regime de Recuperação Fiscal

O Estado está mais próximo da adesão ao RRF (Regime de Recuperação Fiscal) com a aprovação do Projeto de Lei Complementar 101/2020. Câmara e Senado aprovaram, na terça-feira (15), o texto, cuja tramitação era acompanhada há meses pelos Estados. O PLP 101/2020, de autoria do deputado federal Pedro Paulo, e ampliou o projeto chamado de “Plano Mansueto” (PLP 149/2019).

O Rio Grande do Sul participou ativamente do processo de aperfeiçoamento da legislação, atuando para que seja mais atrativa, auxiliando o Tesouro a pagar no longo prazo passivos acumulados no passado. Com a aprovação, o prazo do RRF passa de seis para até 10 anos, sendo um para conclusão da negociação e mais nove anos após a homologação.

O novo formato prevê a retomada gradual do pagamento de parcelas da dívida com a União já no segundo ano, porém com prestações mais leves e aumentando linearmente o percentual de pagamento a cada ano, além de permitir incluir no conjunto de dívidas com pagamentos parcelados após a adesão os financiamentos garantidos pela União (como os existentes no BNDES, BID e Banco Mundial).

O Rio Grande do Sul acumula quase R$ 11 bilhões de pagamentos suspensos da dívida com a União por conta de uma liminar concedida em 2017, quando o Estado já negociava os termos de adesão ao RRF.

Aderindo ao RRF nesse novo formato, além de prazo maior e de um esquema mais suave de retomada dos pagamentos das prestações mensais incorridas após a adesão, o RS terá a oportunidade de financiar os saldos não pagos sob a liminar (R$ 11 bilhões) com encargos de adimplência em prestações ao longo de 30 anos, cujo pagamento se inicia no segundo mês subsequente à adesão ao Regime.

O secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, alertou que os atuais patamares de receita são fundamentais para sustentar um plano de ajuste de longo prazo, que é requisito para a homologação do RRF, tendo em vista que, durante a vigência do Regime, é preciso equilibrar as contas públicas.

“Caso as alíquotas de ICMS não sejam mantidas, teremos novas dificuldades para a adesão ao Regime, que agora avança no plano federal, pois perderemos espaço de comprovar equilíbrio entre receitas e despesas correntes”, avalia.

Nesse cenário, um efeito prático, no caso da não adesão com a legislação atualizada, poderia ser a perda da liminar, o que faria com que o Estado voltasse a pagar a dívida e perdesse a oportunidade de financiar em 360 parcelas (30 anos) os R$ 11 bilhões acumulados nos últimos três anos.

O secretário lembra que o RS negociou exaustivamente com a Secretaria do Tesouro Nacional um plano ao longo de 2019. A experiência de outros Estados levou à proposição de mudanças na legislação, que culminaram no PLP 101/2020.

A definição das condições financeiras necessárias para a adesão, as medidas obrigatórias e as vedações também foram revistas no novo RRF, possuindo grande aderência com a filosofia do ajuste fiscal gaúcho já em andamento.

Ao falar sobre o PL 246/2020, em análise na Assembleia Legislativa, em coletiva na quarta-feira (16/12), o governador Eduardo Leite também ressaltou os riscos ao Regime de Recuperação Fiscal caso as alíquotas não sejam preservadas.

“Vamos manter todo o esforço de negociação com a União, mas estamos alertando que teremos enormes dificuldades para apresentar argumentos, pois receitas correntes e despesas correntes nesse processo de ajuste precisam se encontrar numa projeção de que o Estado volte a conseguir honrar seus compromissos, como a própria dívida com a União. Se o Estado perde bilhões em arrecadação essa conta fica mais difícil de fechar, sendo que a Lei é taxativa ao delimitar o papel de receitas advindas de privatização, que não servem para cobrir despesas correntes. O Estado precisa mostrar capacidade de solvência. Se a conta não fecha, o regime não é aprovado e a liminar se fragiliza”, alertou o governador, acompanhado do procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, que também relatou riscos ao RRF e à liminar da dívida nos próximos períodos.

Após a sanção presidencial, o Estado deverá reapresentar seus cenários, já com os avanços das reformas administrativa e previdenciária, das privatizações e com diversas medidas de contenção de despesas. “Será extremamente desafiante sustentar esse desenho com uma queda repentina da base de arrecadação. A perda abrupta das receitas atuais é, portanto, um risco adicional ao processo de adesão ao regime de recuperação fiscal e à própria trajetória de melhoria em andamento”, avalia Marco Aurelio.

Em outro ponto extremamente relevante para o Rio Grande do Sul, o PLP 101/2020 alterou o dispositivo da Lei Complementar 156/2016 referente ao chamado “teto de gastos estadual”, que, como contrapartida à concessão de alongamento em 20 anos do prazo para pagamento das dívidas com a União, limitava o crescimento das despesas primárias correntes à variação da inflação pelo IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo)

durante os anos de 2018 e 2019.

O projeto aprovado oferece alternativas aos 11 Estados que descumpriram o teto, um dos quais foi o RS, viabilizando aos mesmos a preservação do alongamento da dívida e evitando o vencimento antecipado da diferença de parcelas por tal alongamento (cerca de R$ 8 bilhões no caso gaúcho), estabelecendo como alternativas a extensão do período de apuração e encargos adicionais sem alterar o prazo estendido da dívida principal.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Vulcão na África não deve causar tsunami no Brasil, diz especialista

A história que uma provável erupção nas ...

%d blogueiros gostam disto: